Translate

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Habitante invisível / por O.Heinze

Pobre humanidade descrente...
Eu mostrando-me totalmente
na minha límpida transparência,
mas não crês em minha pureza
de verdadeira luminescência.
Preferes serdes ludibriada
pela enganosa aparência
de outrem camuflado
atrás de ouros e joias brilhantes.
Temes a minha verdade inconteste
e não tremes ao contato com ilusores,
dissimulados em seres puritanos.
Só posso lastimar por tua escolha.
Deverias acreditar que há ainda:
gente sem segunda intenção;
coração carregado de compaixão;
palavras de docilidade;
mão estendida; olhar sincero;
abraço de irmandade;
vibração para a felicidade.

Um comentário:

Clau Assi Poesias disse...

Primeiro passeio pelos espaços amigos. Aproveito pra desejar um 2016 cheio de realizações e inspirações.

Clau Assi